Ardendo em ciúmes



O ciúme possivelmente remonta ao período da primeira infância. Por exemplo, crianças que não compartilham brinquedos, a atenção dos pais ou animais de estimação com outros bebês. O ciúme tem destruído casamentos e desfeito laços familiares. O ciumento duvida de tudo e de todos, desespera-se, tem pavor de deixar de ser amado e sofre horrivelmente com surtos de ciumeira. São maridos com comportamentos doentios que, após o nascimento do primeiro filho, passa a ter comportamento infantil. Esposas que não suportam ver maridos com nenhuma sorte de amizade feminina. Mães que tratam as filhas como se fossem inimigas mortais. Irmãos que vivem disputando a atenção dos seus pais. São pessoas possessivas que se agridem, matam e até se matam. Gente oprimida, precisando de cura interior. Alguns afirmam que ciúme é prova de amor. Errado. Ciúme é doença, é paixão azeda, é pecado. Amor não mata. Amor não arde em ciúmes. Amor até abre mão de quem ama, se quem é amado não nos ama! No casamento, o ciumento tem o cônjuge como propriedade e, invariavelmente, torna a instituição de Deus em um inferno pessoal. O ciumento sofre de baixa-estima e julga-se desprezado. Precisa saber que o ciúme é pecado e como tal deve ser encarado. O ciumento não é um coitado. O seu desejo é o de apoderar-se do outro, mantendo-o permanentemente encarcerado e sob tortura. É um inferno conviver com um ciumento.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail