A lavada de mãos de Pilatos


Eu não queria estar na pele de Pilatos. Coube a ele a decisão de liberar ou mandar matar o Filho de Deus. Sua própria esposa pediu para que ele se mantivesse o mais distante possível do conflito entre os fariseus e Jesus Cristo, o profeta judeu. Além disso, ele viu e entendeu tudo. Jesus Cristo era inocente. Era inofensivo. Não era "ninguém". Mas, para os saduceus, escribas, fariseus e herodianos era "alguém" que não os deixava ultrajar o povo em paz. Pilatos entendeu que Jesus constituia perigo somente para os religiosos cascas grossas. Primeiro, tentou fazer uma meia sola. Mandou torturar bem muito Jesus. Talvez assim conseguisse aplacar a sede de sangue dos santos que pululavam no Templo. Falhou porque não conseguiu enxergar o quanto todos os fariseus eram astutos. Depois, tentou trocar Jesus por um notório malfeitor. Falhou porque simplesmente já era tarde demais: os religiosos fizeram a cabeça do povo. A voz do povo não é a voz de Deus (repita isso 25 vezes!). O povo pediu a crucificação de Jesus. Pilatos, acuado, decidiu lavar as mãos. "Eu não tenho parte com esse nojo!" Olhando dessa perspectiva, dos canalhas, Pilatos foi o menos canalha. Ele só queria manter-se no posto de "governador". Ninguém consegue ser mais maligno que fariseus hipócritas. Isso, entretanto, não põe Pilatos do lado dos mocinhos. Ele consta com brilhantismo no lado dos mais indecisos.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail