Considerações sobre o nascimento de Jesus


Jesus nasceu numa manjedoura. Uma espécie de estrebaria (tem gente que fica ofendido com a palavra. Tem gente que é sensível demais) . Poderia ter nascido no Palácio de Herodes. Teve como pais gente simples do povo. Poderia ter nascido na classe de cima. Quando Jesus nasceu, estavam seus pais sozinhos. Poderia ter nascido “arrudiado” de empregados, serviçais, a nata da sociedade esperando lá fora, no pátio. Poderia ter nascido numa metrópole. Nasceu em Belém, que nem ponto é no mapa! Só não passou totalmente despercebido porque pastores que por ali trabalhavam foram convidados por Deus para testemunharem o nascimento de seu Filho que veio ao mundo para salvar... o mundo! O que eu posso aprender com o Natal de Jesus Cristo? O que o verdadeiro natal tem a falar para nós, do século XXI? O que o cenário do primeiro natal ensina?
Que Deus gosta das coisas simples. A simplicidade da vida é uma marca do caráter de Deus. O diabo é complicado como uma equação de física quântica. Jesus era (e é. Não se esqueça que Ele nunca foi, mas sempre é) tão simples que até uma criança de cinco anos gostava de sentar em seu colo.
Que Deus não gosta de aparecer. O maior milagre já realizado foi testemunhado por... um punhado de humanos. Se fosse eu o autor desse portanto eu queria que o mundo, os anjos e os demônios soubessem. Eu espalharia Alt-doors por toda Jerusalém, mandaria convites para os formadores de opinião, colocaria spots em rádios e gritaria: “Hoje, em Belém nasceu meu filho! Venham e vejam como sou quentura!” Os maiores feitos de Deus são absolutamente anônimos. O arrebatamento, por exemplo. Ninguém verá. Será num piscar de olhos. Mas será maravilhoso para quem subir e constrangedoramente sem informações do Eterno para quem ficar.
Que quem é verdadeiramente forte não se preocupa em se parecer frágil. Quem é mais poderoso que o Todo-poderoso? Mesmo assim, veja como Jesus, que mandava legiões desaparecerem de um possesso, nasceu tão frágil que teve, logo cedo, de fugir para não ser trucidado por Herodes. Sem proteção formal, Ele era o Deus fragilizado! Por isso, diga o fraco: eu sou forte! Ninguém é tão forte quanto aquele que não perde o sono tentando parecer Hercules. O poder de Deus se aperfeiçoa é na fraqueza.
Que as aparências enganam. Ali, aquela família, sem lugar na estalagem, parecia mais uma típica família da Palestina. Uma criança nasceu na madrugada... e daí? Crianças nasciam e morriam naquele lugar como em qualquer outro. Nada de novo, nada tão banal! Só aparentemente... Por que, na verdade, O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o Filho de Deus, O criador de todas as coisas havia nascido! Cuidado, comece a olhar direito. Como disse o escritor do Pequeno Príncipe, o essencial é invisível aos olhos. Aquilo que parece sem significância pode ser um grande milagre envolto no oculto para sua vida!
Que Deus tem ojeriza às coisas religiosas. Parece contraditório, mas tudo que Deus faz com significância foi fora dos templos religiosos. Nasceu em Belém, que nem existia no calendário religioso da época. Morreu fora de Jerusalém, além dos muros. Entrou no Templo somente para fazer uma denuncia do abuso do clero contra o povo cego de sua época. O Senhor criou a família no paraíso, não num altar. Os maioresinimigos dos prefetas eram os reis idólatras e... Os sacerdotes carnais. Lá em Bel´pem nasceu o Salvador, "no mundo", não numa casa sarcerdotal de Jesuralém.
Que o amor faz uma família superar qualquer adversidades. Não existe problema insuperável quando há amor! José estava com Maria em Belém para o recenceamento que Roma impôs. Ela, grávida, deu à luz a Jesus fora de casa, num lugar distante, sem o conforto de se estar acomodado em seu lar. Mas, José foi valente e Maria também. O amor deles resistiu a provas excepcionais. Quando não há amor, até o paraíso é motivo para separação, divórcio, abandono.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail