O chamado para o ministério pastoral


Eu me converti ao Evangelho de Jesus Cristo aos 17 anos. Sentia um forte chamado para o ministério pastoral já naquele tempo. Passei a devorar livros evangélicos e logo passei a me dedicar à leitura de livros teológicos mais profundos. Com apenas três meses de convertido, ainda antes de ser batizado, já era professor da classe de jovens e adultos da Escola Bíblica Dominical. Gostava de “preparar mensagens” e me deprimia quando não atingia o coração das pessoas como a palavra de Deus atingira o meu. Como o chamado ardia dentro de mim
e porque queria ter mais conhecimento, passei quase três anos estudando teologia por extensão. Escolhi um curso de uma igreja reformada, mais profundo e abrangente que os cursos pentecostais da época. O que se requer de um pastor? Que ame gente, que seja humano, que seja um motivador de pessoas, que não queira a glória deste mundo, que tenha fé que dias melhores virão, que seja paciente com o pecador e inflexível com o pecador cínico, que não se conforme com o curso desse mundo, que não tenha amor ao dinheiro, que goste de ensinar, que suporte investidas do diabo e de gente pior que o diabo... enfim, que se pareça com Jesus Cristo. Ter um canudo de curso teológico, ser bom de papo, ter uma personalidade carismática e parecer santo tem sido os requisitos para as igrejas “consagrarem” as pessoas para o ministério pastoral. Sem a unção sobrenatural o chamado para o ministério pastoral se transforma na sepultura de uma vida cristã ou no primeiro estágio do nascimento de mais um lobo.

Um comentário:

Gleidson César disse...

Shalom amado Pastor, muito bom esse post em relação ao chamado pastoral, tenho 18 anos, sinto Deus me chamando desde os 16 anos, e apartir daí, tomei a decisão de acreditar nas bençãos extraordinarias sobre minha vida, que Deus te abençoe. E que este ano seja o ano do crescimento explosivo.

Receba mensagens desse blog no seu E-mail