A obrigatoriedade do uso do véu




Não podemos confundir princípios cristãos com costumes sociais. Sobretudo, quando o costume vem de Corinto, a igreja mais complicada que conheço. Por exemplo, havia graves problemas quanto ao consumo de comidas sacrificadas a ídolos, crentes que participavam malignamente da Ceia do Senhor, “dons espirituais” que gerava mais confusão que unidade na Igreja. Na Antigüidade, a mulher carregava no corpo um sinal da autoridade do marido, o véu. Esse mesmo costume está presente em alguns países muçulmanos. No Irã, se usa o xador; no Afeganistão, a burca; na Arábia Saudita, uma mulher pode até ser chicoteada, caso esqueça o véu em casa! No tempo de Paulo, esse costume ainda era praticado. As mulheres estavam tirando o véu no culto público, por sentirem que o evangelho as libertava desse costume. Isso repercutia mal na comunidade, pois as pessoas que presenciavam os cultos cristãos escandalizavam-se por ver mulheres sem véu (sinal de imodéstia). Tratava-se de uma seita formada por prostitutas?! Era a crítica imbecil feita à igreja. O problema chegou ao conhecimento de Paulo, que escreveu a carta para orientar a igreja. O uso do véu por si só não produz honra, pois prostitutas também usavam véus (Gn 38.14-15). Da mesma forma, os cabelos compridos, somente, não trazem honra, pois a mulher que enxugou os pés do Senhor Jesus, o fez com os próprios cabelos, que eram longos, entretanto sabemos que era uma pecadora (Lc 7.37-39). Após analisarmos o contexto das afirmações de Paulo sobre o uso do véu na igreja de Corinto podemos entender, livres de farisaísmo, que o véu era um costume adequado àquela época, mas que não precisa ser observado hoje pelas igrejas ocidentais. Vê-se claramente que o uso do véu era uma determinação para as mulheres de Corinto, defendida por Paulo para não gerar mais complicações sociais para as mulheres. Não se aplica a todas as igrejas cristãs ocidentais, onde o véu não é há muito considerado um símbolo de modéstia a favor das mulheres, mas um símbolo de obscurantismo e machismo contra as mulheres.

Um comentário:

Anônimo disse...

Paz do senhor!!!
Muito relevante essa explicação. Muitas vezes interpretamos a palavra de forma errônea por não termos conhecimento do contexto histórico e social no qual se baseia o texto bíblico. Aproveitando!! Gostaria q o Sr. Escrevesse uma msg de orientação de como estudar a bíblia.
(Annaraí)

Receba mensagens desse blog no seu E-mail