O espírito de fariseu



A gente não precisa ser legalista para ter espírito de fariseu. Jesus alertou os discípulos para o “fermento dos fariseus” quando estava convivendo graciosamente com eles. Parece que somente Paulo, a apóstolo que veio depois, entendeu a Graça de Deus, pois largou todo o sistema farisaico, refutando tudo como esterco, para ter Cristo. Poucas Igrejas vivem a Graça do Senhor. O espírito de fariseu está presente eu me torno juíz dos irmãos quando fui chamado para ser irmão do irmãos (Mateus 7.1-5). Ele se manifesta quando não perdoamos a nós mesmos quando pecamos. Porque fomos ensinados a tratar os irmãos sem misericórdia, mantemos a tradição de não ser sensível nem com a gente mesmo. Assim, nos tornamos vítimas de nosso próprio "justicismo religioso'. Alguns, de tão “perfeitos” que ostentavam ser, quando pecam não pedem perdão nem a Deus – pois acham que Deus não perdoa “pecadores” como eles. Tenho pena do crente que lê, mas não crê, em 1 João 1.7-2.2! O espírito de fariseu lida com Deus na base do prêmio/castigo. Se eu for bonzinho, Deus me dá um biscoito; se eu ‘farrapar”, Deus me dá um choque elétrico. Esse não é meu Deus, é um “deus pagão” ou um “ídolo”. Enfim, o espírito de fariseu gosta de humilhar quem peca. Ele se sente bem sabendo que alguém é “inferior” a ele em “moral”. Dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu! O fariseu, até quando está sozinho, está mal acompanhado.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail