A Mônica de todo Renan


Correu solto na internet uma piada: o que há em comum entre Bill Clinton, Cebolinha e Renan Calheiros? Todos três se deram mal com uma mônica! Para cada homem ou mulher comprometido pelo casamento, pode aparecer uma mônica ou um mônico. Não se trata apenas de um jogo de interesse sexual (dele) e financeiro (dela). Mas, quase sempre, derrapa nesse clichê. O problema é o altíssimo preço que se paga por uma aventura fora do casamento. Renan, conforme foi veiculado, pagava um "cala-te" a sua mônica de 40 mil reais mensais. O medo dele era que sua família soubesse do relacionamento. Ele queria anonimato. Ele deu mensalinho, com dinheiro da nação, para esconder de sua esposa seu romance. Já ela, preferiu engravidar. Ela preferiu receber muito dinheiro para cuidar do filho do casal. Ela pousou nua quando eclodiu o escândalo. Ela ameaçava ele com a vitrine. Estou quase traindo minha esposa com uma jovem que tem a idade de ser minha filha, escreveu um internauta da Região Sudeste. Respondi que não fizesse esse mal à sua esposa, à moça que o tenta e a si mesmo. Não tem como uma relação dessa terminar bem para nenhum dos envolvidos. Começa com um flerte, avança para um encontro, termina em intensas experiências sexuais. Mas, é só. Mônica também tem sentimentos, quer um relacionamento estável, deseja ser única, ou, pior, quer dinheiro e fama. Se quiser experimentar vergonha pública e privada, sentimento de culpa e causar muita dor a quem te ama, vá em frente: leve mônica ou mônico para o motel. Mas, aproveite essa oportunidade de ouro - acabe o que ainda nem começou e leve sua esposa em uma tórrida segunda lua-de-mel. Você vai ver como tinha uma amante em casa e não sabia.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail