Lições da crucificação de Jesus*


1. Conhecemos quem realmente nos ama não é no tempo da celebração, é no tempo da prova. Somente Maria Madalena, sua mãe e João esteve presente durante a crucificação de Jesus.

2. Geralmente, os maiores inimigos do Evangelho são a religião e a política. A religião decidiu matar Jesus. Pilatos foi obrigado a lavar as mãos. É o que a política faz de melhor: ficar em cima do muro, contra a Igreja.

3. Deus pode transformar, num curto espaço de tempo,, sofrimento em vitória. Jesus disse a um dos malfeitores: "Hoje mesmo estarás comigo no paraíso".

4. Sempre há uma minoria sensível no meio de uma maioria grossa. Entre fariseus, soldados romanos psicopatas e fariseus cascas-grossas, dava para enxergar um malfeitor que pediu: "lembra-te, Jesus, de mim, quando entrares no teu reino!" Ou um centurião romano que clamou: "verdadeiramente este homem era o Filho de Deus". Ou um José de Arimatéia, senador, que reclamou a Pilatos o corpo de Cristo. Sempre houve e sempre haverá um remanescente.

5. Nunca é tarde para ser feliz. Nas últimas horas de vida, um malfeitor se converteu. Ele não é um exemplo de quem se converteu na última hora da vida, mas um exemplo de quem se converteu na primeira oportunidade que teve.

6. O mundo odeia Jesus Cristo. Por isso, detesta a Igreja.

7. A melhor maneira de passar pela prova é em silêncio. Jesus pouco abriu a boca depois que foi covardemente detido no Jetsêmani. Na prova, quem é nosso amigo não precisa ouvir nada. Quem é nosso inimigo não deve ouvir nada.

* Lucas 23.33-56

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail