Desgraça só quer começo


Desgraça só quer começo. Antes, preciso definir desgraça. Desgraça é “des-graça”, ausência de graça, infelicidade, desdita, catástrofe, coisa ruim que reverbera pro resta da vida. Pois bem, como eu ia escrevendo, desgraça só quer começo. Adão e Eva se “des-graçaram” começaram a comer do fruto proibido. Acã se “des-graçou” quando começou a esconder em casa o que era maldito. Miriam e Arão se “des-graçaram” quando começaram a falar mal de Moisés pela decisão de Moisés de casar com uma negra. Judas se “des-graçou” quando começou a conversar com os principais do Templo (Não conheço ninguém que converse com fariseus que não acabe vendendo Jesus). Absalão se “des-graçou” quando começou a arquitetar o plano de vingança por sua irmã deflorada e começou a odiar Davi pela sua aparente indiferença. Foi o começo do fim do menino. Acabe se “des-graçou” quando começou o romance com uma mulher ímpia (Alías, não tem quem não se acabe quando se apaixona por uma mulher má. Sansão poderia dar uma aula sobre o tema). Conheço de pastores que se “des-graçaram” quando começaram a flertar com secretárias, a tomar cerveja com amigos, a paquerar um cargo político, o conforto que o dinheiro produz. Sei de padres, empresários, irmãos, médicos, artistas, homens e mulheres que caíram em desgraças terríveis – e nunca mais se reergueram. O pior é que tudo teve um começo. No começo, tudo tem solução. No começo, tudo pode ser controlado, rejeitado, renunciado, abandonado. Para quem insiste olhando para a mulher do general Urias, o fim não pode ser outro: vergonha, dor, culpa e morte. Desgraça, gente, só quer começo.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail