Um estranho no ninho


Já fui passado para trás por alguém que estimava muito. A dor é quase insuportável. Apresso a dizer que nunca fui preterido num relacionamento afetivo/conjugal. A dor deve ser infinitamente pior. A angústia do divórcio dói menos que a dor da infidelidade. Uma das conseqüências do adultério é o ódio. Ódio que vem da frustração, do “ser enganado”, do ser preterido. Salomão diz que o ciúme do marido ferido vira raiva mortal, difícil de ser controlada. A Bíblia assegura que os adúlteros não herdarão a vida eterna. Possivelmente, pela magnitude da dor causada a um inocente. Mulher não odeia menos, quando é traída, por ser mulher. Geralmente, odeia mais – apesar de suportar mais e sofrer mais. Claro que o perdão pode restaurar qualquer relacionamento. Mas, vaso trincado, por mais bonito que seja, está marcado pelo estilhaço da queda. A marca é irremovível, apesar de poder ser encoberto pela capa do silêncio e da vergonha – e, no melhor dos mundos, pelo perdão graciosamente concedido e pelo verdadeiro arrependimento. Davi teve sua biografia tisnada por um deslize homérico com a mulher de um de seus mais leais soldados. Foi restaurado por Deus que a tudo restaura. Mas, onde quer que se fale sobre o homem que derrubou gigantes também se fala sobre o homem tombou vitimado pela lascívia.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail