Não é importante ser apreciado por todos


A gente pensa que é muito importante agradar a todos os nossos conhecidos, parentes, amigos. Notadamenta os que têm baixa-estima pensam que o desejável é ser indistintamente apreciado - mesmo que seja ao custo de desagradar a nós mesmos. Penso diferente. Acredito que ninguém consegue agradar a todos. Nem deve ser nosso objetivo fazer graça para os outros. Por esse atalho, anularemos nossa individualidade, violentaremos nossa consciência cristã e até correremos o risco de desagradar ao nosso Senhor e Salvador. Veja os grandes personagens da humanidade, aqueles que fizeram a diferença. Nenhum deles venceu sem superar preconceito, ódio, inveja e oposição. Graças a Deus, não foram apreciados por todos e, por isso, hoje são lembrado por nós. O mais das vezes, vemos homens como Beethoven, Mozart, Thomas Edson, Martin Luther King, Abraão Lincoln, os apóstolos Pedro e Paulo, desagradando a maioria para viverem um ideal de virtude e propósito que a "moral" da época não prezava. Jesus Cristo, meu único exemplo de espiritualidade, foi depreciado pela maioria esmagadora dos religiosos, políticos, da burguesia e do povão de sua época. Asfixiando numa cruz, foi antes cuspido, insultado, torturado e desprezado. Não lhe era importante fazer média com todos. Era importante agradar a Deus e morrer em paz com sua consciência. Dependendo do caso, quem nos deprecia presta-nos um grande favor. É bom prestar atenção ao tipo de gente que deprecia você. O caráter de um homem é melhor medido pelo tipo de inimigos que possui. Invertendo o ditado, me diga quem são seus inimigos que eu digo quem você é!

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail