Todo homem é igual. Toda mulher também.


Quando uma mulher diz que todo homem é igual, diz cheia de frustração e como desabafo. É uma crítica ao comportamenot masculino. Ela está decepcionada com a volubilidade do amor de seu parceiro. No fundo, no fundo, ela queria que nem todos os homens fossem iguais. Pelo menos, que o seu parceiro fosse muito diferente dos demais espécimes masculinos. O erro máximo de toda mulher é querer que os homens hajam e reajam como... mulheres! Sejam meigos, carentes, vulneráveis, sensíveis e emotivos como elas. Nada produz mais frustração que descobrir que seu parceiro é totalmente igual a outros homens e diametralmente oposto a ela. O que nos falta é investir tempo para conhecer as diferenças entre homens e mulheres – que vão muito além das diferenças físicas. Homens são todos iguais e mulheres são todas iguais, também (claro, considerando devidas exceções). Mulheres tem medo da solidão, sentem enorme dificuldade separar amor do sexo, são fisicamente mais vulneráveis, são capazes de odiar com a mesma intensidade com que amam, são perdidamente atraídas pela “masculinidade dos homens”... são todas iguais. Homens são fisicamente mais explosivos, sentem mais a vergonha quando fracassam, são meio idiotas quando o assunto é sexo, são perdidamente atraídos pelas curvas de uma mulher... são todos iguais. Para você viver melhor com seu homem, aconselho: páre com essa besteira de dizer que somos todos iguais. É chover no molhado. É não dizer nada para não resolver nada. O que todos nós precisamos é conhecer as diferenças entre os sexos e celebrá-los com bom-humor e graça. Caso contrário, vamos passar o resto de nossas vidas brigando, se acusando, discutindo e nos devorando – sem experimentar o que há de gostoso em se relacionar com quem foi feito por Deus diferente da gente, somente para o nosso maior deleite e conforto.

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail