A menina que roubava livros



Acredito que li um romance, best-seller, há mais de 13 anos. NO quesito leitura, tenho me dedicado a livros evangélicos e/ou de auto-ajuda nesse período. Em pleno gozo de férias, Renata e Maria do Carmo (respectivamente filha e esposa) fizeram um lobby tremendo para que eu lesse "A menina que roubava livros", de Markus Zusak. Aquiesci e, dentro de 2 dias, li um dos livros mais tocantes de toda minha vida. O livro é narrado pela... Morte! Exatamente, a Morte conta a história de uma menina alemã durante a II Guerra Mundial. Na contra-capa está escrito: "Quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler". Tocante na medida certa, com fino humor e profundo na construção dos personagens, "A menina que roubava livros" é uma obra-prima em todos os sentidos. A história se desenvolve ao redor de Liesel Meminger, uma menina que escapou da morte três vezes. A Ceifadora de vidas, impressionada, acompanha a vida da garota que sub-vive na Alemanha Nazista, durante a guerra que ceifou 40 millhões de seres humanos. O livro, que está no topo dos mais vendidos no Brasil há um ano, é leitura obrigatória (e muito prazerosa) para quem perdeu a sensibilidade de como a vida é preciosa e de como, nos pequenos detalhes, reside toda a felicidade de que precisamos. "Desde o início da vida de Liesel na rua Himmel, numa área pobre de Molching, cidade próxima a Munique, ela precisou achar formas de se convencer do sentido de sua existência". Indispensável.

Um comentário:

Anônimo disse...

Pastor em smp fico com um pé atras na hora de escolher livros... procuro sempre pesquisar antes tal, e estava pesquisando sobre a menina que roubava livros, procurando me desviar daquilo que vai contra as escrituras ... o senhor lê mtos romances pastor ? qual tipo de livro eu devo evitar ?

oq o senhor acha do caçador de pipa ?

Receba mensagens desse blog no seu E-mail