Não guarde rancor

Meu irmão colecionava chaveiros. Guardava todos que ganhava ou comprava, exibindo-os como troféus. Jamais vi uma coleção semelhante. Tenho um colega que guarda canetas. Inclusive, já dei algumas a ele. Você também pode começar a colecionar selos, Bíblias, livros, camisas... É possível (e salutar) guardar boas lembranças para recordar momentos que marcaram ou mudaram sua vida. Existem, entretanto, coisas que devemos jogar fora - de imediato rasgar, esquecer, apagar, deletar. Por exemplo, não se guarda lixo, nem objetos danificados além da possibilidade de conserto. Entre tantas coisas que não se deve guardar, por favor não guarde rancor. Rancor é ressentimento, é mágoa, é não deixar uma ferida cicatrizar. É constantemente voltar a abrir o ferimento, a sofrer de novo, a re-sentir tudo, mesmo anos ou décadas depois. Deve ser horrível sub-viver assim. Tende cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe. Permitir que a mágoa se apodere do seu coração é dar poder a quem te feriu de voltar a atingir você de novo, a qualquer hora do dia ou da noite, mesmo estando a quilômetros de distância. Quem te humilhou ou machucou passou dos limites. Não seja infantil. Não dê mais poder a quem te despreza de lancetar você de novo, e de novo, e de novo...

Nenhum comentário:

Receba mensagens desse blog no seu E-mail