A culinária do crente


Jesus disse: “o que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem” (Mt 15.11). Paulo escreveu aos crentes romanos: “ Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus. Mas, como explicar Atos 15:20?! : “Mas escrever-lhes que se abstenham da contaminação dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue”. Atos 15.20 foi um concílio judeu de crentes judaizantes que queriam cercear a liberdade dos crentes gentios. Eles determinaram o que estipulado estava nas leis cerimoniais. Nós somos crentes gentios, nossa cultura é outra. Quem não quiser comer, não julgue quem quer, e quem quiser comer, não julgue quem não quer. O crente fraco come somente legumes, o forte come de tudo, dando glória a deus. Já a carne sufocada é quando o animal morre sufocado – caso da maioria das codornas, que morrem dentro de um saco plástico que é vedado, matando-as por asfixia. Para convencer Pedro a evangelizar um gentio, Deus lhe mostrou concedeu uma visão esclarecedora: "Estando eu orando na cidade de Jope, tive, num arrebatamento dos sentidos, uma visão; via um vaso, como um grande lençol que descia do céu e vinha até junto de mim. E, pondo nele os olhos, considerei, e vi animais da terra, quadrúpedes, e feras, e répteis e aves do céu. E ouvi uma voz que me dizia: Levanta-te, Pedro; mata e come. Mas eu disse: De maneira nenhuma, Senhor; pois, nunca em minha boca entrou coisa alguma comum ou imunda.Mas a voz respondeu-me do céu segunda vez: Não chames tu comum ao que Deus purificou. E sucedeu isto por três vezes; e tudo tornou a recolher-se ao céu". Eu penso que jamais comerei carne de cobra. Mas, um irmão chinês que come carne de cachorro não é menos irmão meu. O conselho de Paulo é a total liberdade culinária (desde que se tenha saúde para comer!). Em Cristo sou livre. Deixemos os judeus serem judeus. Permita que os brasileiros sejam brasileiros. No contexto antecedente, o Concílio estipulou (At 15.19): "Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus". Excelente conselho.

Um comentário:

Allyne Evellyn disse...

Obrigada pelo texto pastor!
Muito esclarecedor...Tirou minhas dúvidas!
Obrigada por sempre se dispor a respinder nossos questionamentos!

Receba mensagens desse blog no seu E-mail